terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Tempo perdido

De que adianta ser jovem, ser lindo e gostoso, se não temos ninguém para nos amar de verdade? De que adianta ter tudo e ao mesmo tempo não ter nada?
Não podemos gostar de quem não gosta da gente, mas o que se fazer quando isso é inevitável? O que fazer quando amamos a pessoa errada?
Eu amo, sim, amo a pessoa errada, aquela que mal me olha, aquela que mal quer falar comigo, aquela que me faz de idiota. E o pior? É eu ama-la e aceitar o fato dela me usar. De me querer só quando está carente.
Meu amor por ela aumenta cada vez mais, não sei mais o que fazer, ela me dominou por completo, e eu não tenho mais controle sobre isso. Quando estamos longe, eu penso nela a cada segundo, quando estamos perto, procuro cuidar dela com maiores cuidados, e aproveitar cada segundo.
Eu me odeio profundamente por não conseguir dizer pra ela que não quero mais ser idiota, que eu tenho a minha vida, e que quero vive-la. Mas me odeio mais ainda, por querer ser o idiota dela, por querer ter minha vida com ela, e por querer viver cada segundo com ela.
Perco cada vez mais meu tempo nisso, não tem mais solução, o que resta a fazer é esperar esse amor passar - se um dia passar - e aproveitar cada passo idiota meu.

- Texto dedicado para Gabriel Vargas.

Um comentário:

  1. eu me odeio mesmo por ter certeza de que é essa minha realidade !

    ResponderExcluir